LOGO 2 BLOG






Bahia: Governo bloqueia pagamento de mais de 7 mil servidores

(Foto: Tácio Moreira/Metropress)
(Foto: Tácio Moreira/Metropress)


O governo bloqueou o pagamento do salário de 7.723 servidores da Saúde, Educação e Segurança que não se recadastraram até o dia 13, e que custam, no total, R$ 15 milhões mensais aos cofres do Estado.
De acordo com a Secretaria de Administração (Saeb), os que não regularizaram a situação equivalem a cerca de 7% dos quase 124 mil servidores estaduais ativos das secretarias de Saúde (Sesab), Educação (SEC) e Segurança (SSP). O Estado tem, no total, 150.427 servidores.
Entre os "sumidos", que não fizeram o recadastramento no prazo original, a maioria está lotada na Secretaria de Educação (69,2%). Em seguida, está a Secretaria da Saúde, onde estão 19,8% dos 7.723 servidores ocultos (veja ao lado o restante dos órgãos).


Sangria financeira

Em fevereiro, o governador Rui Costa publicou decreto instituindo o recadastramento de servidores e empregados públicos a cada dois anos, em meio a uma série de medidas adotadas para sanear supostas sangrias financeiras, em um ano de crise econômica.
O recadastramento é obrigatório até para servidores em cargo comissionado ou em Regime Especial de Direito Administrativo (Reda), em férias, licença médica, licença prêmio e licença maternidade, entre outras.


Segunda chance


Quem não se recadastrou tem até o dia 30 para preencher o formulário disponível no Portal do Servidor (www.portaldoservidor.ba.gov.br). Aqueles que não se recadastrarem até esta data responderão a processo administrativo, além de continuarem sem receber salário.

Para os que regularizarem a situação até o dia 30, o pagamento do salário de abril será feito por meio de folha especial até o quinto dia útil do mês de maio, e não nos dias 29 ou 30 de abril, como tradicionalmente acontece.
O governo ainda não divulgou a data da segunda fase do recadastramento, que abrangerá os servidores dos demais órgãos da administração estadual.
O secretário de Administração, Edelvino Góes, afirma que, com o recadastramento, serão identificadas "possíveis não conformidades, tais como o acúmulo indevido de cargos e a incompatibilidade de horários de trabalho", além de possíveis servidores "fantasmas".

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

0 Comentários