LOGO 2 BLOG







Aumento da gasolina surpreende

Foi um susto. Enquanto muitos soteropolitanos ainda dormiam, os postos de combustíveis trocaram as tabelas de preços e o litro da gasolina, que na noite anterior podia ser encontrado a até R$ 3,39, de repente estava sendo comercializado a até R$ 4,09 em Salvador. A mudança pegou muitos de surpresa e não encontrou respostas dos funcionários dos postos, que já iniciaram o trabalho pela manhã com a incumbência de fazer a troca de preços nas bombas. Nada de alarde e muito menos de nota nos veículos de comunicação. O reajuste foi determinado pela Petrobras para as distribuidoras, que por sua vez repassaram para os postos, e estes para o consumidor. “Quem acaba pagando por isso somos nós, consumidores, que sem qualquer aviso somos surpreendidos com esse novo reajuste”, desabafou o engenheiro Silvio Nascimento, ao abastecer o veículo no posto da Djalma Dutra. No dia anterior a gasolina custava R$ 3,44, mas ontem passou para R$ 3,84. Conforme explicou o presidente do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis na Bahia, José Augusto Costa, a culpa é das distribuidoras, que seguem o que determina a política de preços da Petrobras. “Fugindo à regra das últimas décadas, dia 29 de outubro, a Petrobras aumentou os preços da gasolina e do diesel sem divulgar à sociedade”. Segundo ele, nos últimos 20 anos, sempre que a Petrobras reajustava os preços dos combustíveis fazia ampla divulgação nos meios de comunicação. Com o novo reajuste iniciado ontem, a gasolina mais cara, a do tipo “Podium”, atingiu o preço máximo de R$ 4,49 o litro, no posto que fica defronte ao Hipermercado GBarbosa, no Iguatemi. Já a gasolina aditivada estava sendo vendida a R$ 4.049 no posto que fica defronte à entrada do Hospital Geral do Estado, na Avenida Vasco da Gama. A gasolina comum, a mais vendida, custava, em média, R$ 3,899 na maioria dos postos em Salvador, um aumento de até R$ 0,60 o litro. Aumento do ICMS - Em nota, o Sindicombustíveis Bahia disse “ser imprescindível informar à sociedade sobre os expressivos reajustes de preço nas etapas anteriores da cadeia de abastecimento, para que a revenda varejista, face mais visível do mercado e quem lida diretamente com o consumidor, não seja injustamente responsabilizada por alterações no preço ocorridas em outras etapas de comercialização dos combustíveis”.
O presidente do Sindicombustível na Bahia, José Augusto Costa, chama a atenção para o fato de que à exceção do Rio de Janeiro, a Bahia é o estado com maior carga tributária sobre o preço do combustível, razão pela qual o preço do produto, mesmo sendo o estado distribuidor da gasolina para toda a Região Nordeste, através da Refinaria Landulpho Alves, tem, uma das gasolinas mais caras do País. Hoje segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), em pesquisa feita no início do mês, a Bahia tem a 5ª gasolina mais cara do País, enquanto em Salvador, dentre todas as capitais brasileiras, a gasolina na Bahia é a terceira mais cara, atingindo a R$ 3,899 para o produto aditivado, os mesmos preços praticados por alguns postos de abastecimentos das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Nos últimos 30 dias, o etanol também sofreu vários reajustes nas distribuidoras e chegou aos postos da Bahia com um custo de até R$ 0,38 a mais. Para completar a rodada de reajustes, no último dia três de novembro, com a publicação do Ato Cotepe nº 21 (retificação), o Estado da Bahia alterou a carga tributária dos combustíveis, aumentando o preço de pauta do ICMS da gasolina de R$ 3,47 para R$ 3,79. Com alteração do preço de pauta do ICMS dos combustíveis, a Bahia continua a ter uma das maiores cargas tributárias do Brasil. Por outro lado, os preços médios dos combustíveis na Bahia, registrados oficialmente pela pesquisa da Agência Nacional de Petróleo (ANP), período de 25 a 31 de outubro de 2015, são: gasolina - R$ 3,647; diesel S500 - R$ 2,864; diesel S10 - R$ 3,012; etanol - R$ 2,647 e GNV - R$ 2,349. (Tribuna da Bahia)

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

0 Comentários