LOGO 2 BLOG






Baiana descobre problema no fígado por causa do uso excessivo de remédio sem eficácia contra Covid-19

 

Durante um ano, Cremilda Carneiro tomou três cápsulas do medicamento a cada 15 dias, por influência dos irmãos. Agora, ela recebeu o diagnóstico de uma doença chamada colestase.


Foto: Reprodução 

Uma economista baiana, Cremilda Carneiro, revelou ter adquirido uma doença no fígado, chamada colestase, após tomar três capsulas de ivermectina a cada 15 dias durante um ano. Hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina fazem parte de um chamado tratamento precoce difundido em redes sociais que, segundo cientistas e instituições de pesquisa renomados, não funciona.

“Meus irmãos, que alguém disse para eles, que um médico, algum conhecido, que a ivermectina era a cura ou a preventiva. Todos eles tomaram a ivermectina e eu não poderia ficar de fora”, disse a baiana.

A ivermectina é um vermífugo , usado para combater parasitas, como lombrigas e piolhos; a cloroquina é usada no tratamento de malária, lúpus e artrite reumatóide; e a azitromicina é um antibiótico.


Baiana descobre problema no fígado por causa do uso excessivo de remédio sem eficácia contra Covid-19 — Foto: Reprodução / TV Bahia

No Brasil, as vendas de hidroxicloroquina subiram 173% em fevereiro desse ano em relação ao ano passado e as de ivermectina, mais de 700%.

Cremilda Carneiro revelou que a colestase adquirida por ela estava na fase moderada, muito próximo da situação mais grave.

“E você acredita com força total que aquilo ali [medicamento] é seguro, que vai te proteger, uma das bobagens da vida que a gente faz. São três graus: o leve, o moderado e o grave né? Eu estava no moderado, quer dizer, um passo para chegar no mais sério”, contou a baiana.

"Para com a ivermectina. Vai usar máscara, vai se cuidar, não vai aglomerar. Porque é a melhor coisa que você faz", pediu.

O hepatologista Raymundo Paraná afirma que todo paciente que se expõe a um medicamento corre o risco de uma lesão no fígado. Os médicos contrabalançam o risco com o benefício antes prescrever ao paciente.

"Um estudo conduzido na África mostrou que com 15 milhões de pacientes tratados, a mortalidade por efeitos adversos graves ocorreram somente 55, mas são 55 vidas. Por outro lado, nós temos uma doença que matava mais que isso, então nessa situação, seria favorável a indicação do tratamento. Por outro lado, se você não tem um benefício do tratamento, você ficaria só com risco e seria injustificável utilizar", explicou.

Fonte: G1 Bahia

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

0 Comentários